Soneto de Mark Alexander Boyd



Fra bank to bank, fra wood to wood I rin,

Ourhailit with my feeble fantasie;

Like til a leaf that fallis from a tree,

Or til a reed ourblawin with the win.

Twa gods guides me: the ane of tham is blin,

Yea and a bairn brocht up in vanitie;

The next a wife ingenrit of the sea,

And lichter nor a dauphin with her fin.


Unhappy is the man for evermair

That tills the sand and sawis in the air;

But twice unhappier is he, I lairn,

That feidis in his hairt a mad desire,

And follows on a woman throw the fire,

Led by a blind and teachit by a bairn.



Essa é a versão original desse soneto do poeta escocês Mark Alexander Boyd, datado de 1590. Em inglês moderno: 


From bank to bank, from wood to wood I run,

Overwhelmed with my feeble fantasy;

Like a leaf that falls from a tree,

Or a reed overblown with the wind.

Two gods guide me: the one of them is blind,

Yes and a child brought up in vanity:

The next a wife born of the sea,

And lighter than a dolphin with her fin.


Unhappy is the man for evermore

That tills the sand and sows in the air;

But twice unhappier is he, I learn,

That feeds in his heart a mad desire,

And follows a woman through the fire,

Led by a blind and taught by a child.



Fugindo um pouco da estrutura tradicional de 2 quartetos e 2 tercetos, o chamado soneto italiano, para uma estrutura de um conjunto com 8 versos e um com 6. É possível dividir o poema em 2 quartetos iniciais, mas não em 2 tercetos finais pois necessariamente os quatro últimos versos devem estar juntos. Se for seguido uma lógica, pode-se utilizar um quarteto (introdução), outro quarteto (desenvolvimento) e, por fim, a conclusão em 6 versos.

A grande chave para entender o poema são os dois deuses. O primeiro, uma criança cega, trata-se do cupido. A segunda, nascida do oceano, é Afrodite. Colocando um em oposição ao outro, o poeta parece querer chamar atenção para dois tipos de amor, o cego que tira a capacidade de uso da razão (cupido) e um superior, o que os gregos chamaram de ágape.

Levado apenas por cupido, o homem pode ser um infeliz para sempre quando se trata de um amor não correspondido, cuja imagem é de um homem preparando o solo e arremessando as sementes ao ar, mas pode ser ainda mais infeliz ao se tornar um instrumento nas mãos de uma mulher ardilosa, que a seguir pelas chamas (o pecado), guiado por um cego e ensinado por uma criança, ou seja, pelo cupido.

O poeta Ezra Pound considerava este o mais belo soneto da língua inglesa. Sem dúvida um poderoso exemplo de como em poucos versos criar imagens com tanto significado. 


Junho, 2014


u© MARCOS JUNIOR 2013