Charles Dickens

Grandes Esperanças -

Um dos temas mais caros da literatura moderna, especialmente a partir do século XIX, é o da ascenção social. A rápida expansão do capitalismo permitiu que a possibilidade de mudança social fosse cada vez mais presente na vida das pessoas, e logo se tornou um tema explorado por grandes autores como Dickens. Especialmente na tensão crescente entre a liberdade proporcionada por uma fortuna e os valores morais herdados de um lar humilde.

Grandes Esperanças conta a história de Pip, um menino muito pobre, que passa a receber uma renda proveniente de um misteriosos fundo, que acredita ser oriunda de Missa Havisham,  uma senhora idosa que nunca superou ter sido abandonada às vésperas do casamento. Como vingança cria uma filha adotiva para que seja desprovida de sentimentos de amor, bela e intocável. Pip se apaixona pela menina e passa a considerar sua humilde vida um estorvo.

A narração de Dickens sobre a família de Pip é primorosa.Um retrato da pobreza e da privação que as famílias enfrentavam na Inglaterra vitoriana, pós revolução industrial. Pip era criado por uma violenta irmã e principalmente por seu marido Joe. Pobreza não é sinônimo de honestidade e da mesma forma que o garoto tem um bom exemplo em casa, também tem seu oposto. Joe, sua maior influência, é o retrato da moralidade e da bondade, a consciência do próprio menino. Tanto que ao receber a renda da misteriosa herança,  passa a fugir dele, para não pensar no destino que está dando a sua vida. 

A segunda parte do livro conta a saga de Pip em Londres tornando-se um cavalheiro. Dispondo de recursos através de um advogado, Mr Jaggers, o antes trabalhador aprendiz de ferreiro torna-se um membro da elite britânica. Sem trabalhar, apenas gasta os recursos que possui e incorpora novos valores, buscando cada vez mais desempenhar o papel que imagina representar a classe social que passou a fazer parte. 

Um dia Pip recebe a visita de seu misterioso benfeitor. Este acontecimento revira sua vida iniciando a última parte do livro. Não era, como imaginava, Miss Havisham, mas sim um condenado degredado para Austrália que Pip tinha ajudado na infância. O jovem fica horrorizado com a origem de sua herança e passa a hostilizá-lo. No entanto, a lealdade e dedicação deste homem consegue quebrar o muro que Pip tinha construído, iniciando o penoso processo de reconciliação dele com sua consciência (Joe) e com sua origem na pobreza. 

Esta última parte é emocionante. Não só pela junção de uma série de personagens e acontecimentos dispersos pelo texto como pelo arrependimento sincero de Pip. O rapaz era pobre e diante da prova da riqueza caiu, deixando-se iludir pelas aparências. Através de um penosos processo realiza sua expiação e retoma o caminho que nunca deveria ter abandonado. A mensagem cristã da redenção se torna clara através da sequência da queda e do arrependimento, culminando com o perdão.

A mudança de classe social se tornou um dos grandes temas da literatura justamente por sua realidade. Até o surgimento do capitalismo industrial, o homem estava condenado às condições de seu nascimento. Por mais difícil que se considere até hoje uma migração da pobreza para a riqueza, ela existe de fato, e está sempre repleta de perigos para a alma. As ilusões nos afastam da verdade, apenas sendo fiéis a nossas consciências pode-se vencer o desafio e conservar o que temos de melhor. Mais uma grande lição de um grande escritor, Charles Dickens. 



u© MARCOS JUNIOR 2013