Reparação (Atonement, 2007)

atonement

O que realmente vê uma criança? Até que ponto ela é capaz de lidar com a realidade? Quando ela vê um fato objetivo, o que é capaz de captar realmente dele?


São perguntas como estas que estão na raiz do bom filme de Joe Wright, que já havia adaptado Orgulho e Preconceito, também com Keira Knightley, que mais uma vez mostra que é muito mais do que mais um rosto bonito no cinema.


No filme, uma menina é incapaz de lidar com uma terrível verdade que destrói o mundo que tinha imaginado para si. Aos 13 anos, incapaz de superar uma rejeição de um jovem que tinha se apaixonado, ela acusa-o de um crime que alteraria a vida dele e de sua irmã para sempre. Anos depois, ao ser perguntada se sabia o que estava fazendo ela responderia que sim e não. Não é uma resposta fácil. Briony tinha visto o que desejava ver, seus sentidos tinham sido alterados pela profunda emoção que estava sentindo. É o perigo que a imaginação fértil pode fazer na mente de uma jovem que apenas está aprendendo a viver.


Já dizia gente como Gassett e Musil, que o grande problema das pessoas e do mundo é a relação com a realidade. A nossa incapacidade de processá-la nos momentos de intensa angústia é a tônica do homem, principalmente o homem moderno. Imaginamos um mundo agradável em nossa mente o tempo todo; por vezes ele entra em conflito com um outro mundo diferente, a realidade. Alguns conseguem ter a coragem de enfrentar esta tensão, outros sucumbem. Como a jovem Briony.


O filme vai mais além, mostra que nem todos os pecados são possíveis de reparação. A Segunda Guerra Mundial impediria a jovem de redimir-se com os que magoou e faria com que carregasse por todo a sua vida o fardo do erro que cometeu. Uma idosa Briony, agora escritora de sucesso, lida com seu inferno pessoal em seu último livro. Tenta se redimir com a irmã e o amante na ficção e desta forma redimir com si mesma.


Desejo e Reparação é um filme sensível, muito bem filmado e com atuações seguras. Whight conseguiu criar um grande efeito ao montar o filme de forma não linear, mostrando a visão de Britney primeiro e só depois, em flashback, o que realmente tinha acontecido. Tenta reproduzir o efeito da consciência sendo formada, uma consciência que só poderá ter um fim, o arrependimento. Mesmo que tarde demais.

u© MARCOS JUNIOR 2013