The Great Escape (1963)

Sinopse:

fugindo-do-inferno03


Em 1943 os nazistas decidem transferir os prisioneiros de guerra militares, que têm maior incidência em tentativas de fugas, para o mesmo campo, que foi projetado para impedir qualquer tipo de evasão. Mas isto foi um erro, pois apesar dos prisioneiros gozarem de certos privilégios, cada um era o melhor na sua "especialidade" e não pretendiam ficar presos até o final da guerra. Logo idealizam um audacioso plano de fuga, que previa a construção de três túneis, mas a idéia não era retirar do campo alguns prisioneiros mas sim duzentos e cinqüenta. "Big X" Bartlett (Richard Attenborough) é um soldado britânico que habilmente elabora todo o plano. Ele é auxiliado por Danny Willinski (Charles Bronson), um polonês que é especialista em fazer trincheiras. Há também dois americanos: Hendley (James Marsden), que tem talento para roubar, e Hilts (Steve McQueen), que tem um jeito rebelde, além de ter idéias próprias de como fugir e ser um recordista na tentativa de fugas. Há ainda Blythe (Donald Pleasence), um mestre na falsificação. A idéia de fazerem três túneis é que se um deles for descoberto os outros ainda servirão para a evasão. Além da fuga propriamente dita há um esquema para, após saírem do campo, chegarem até a Inglaterra ou qualquer outro país neutro. (Fonte: www.adorocinema.com)


Comento (com spoiler):

Li algumas críticas espalhadas pela internet sobre este filme; muitos perderam o principal ao analisá-lo como um filme de ação. Chegam até a dizer que o filme é longo demais e se perde um pouco no longo preparativo da fuga. Como dizem os ingleses: they missed the point.

Não é um filme de ação, embora tenha cenas de ação. É um filme sobre perseverança e, mais do que isso, sobre encontrar uma razão para continuar vivendo. É isso que fazem os prisioneiros sob liderança de Roger, encontram na fuga um objetivo, uma forma de se manter na luta, uma forma de seguir adiante, mesmo que cercados por guardas de todos os lados.

A primeira diferença deste filme para tantos outros que abordam o mesmo tema é que a fuga não termina ao se passar dos portões, ela continua, e se torna dramática à medida que os 76 prisioneiros que escaparam chegam mais perto das fronteiras. É onde a maioria é capturada.

Ao contrário do que se poderia imaginar, os principais personagens não conseguem atravessá-la. Os poucos que conseguiram eram secundários, justo aqueles que não se imaginava que conseguissem.

fugindo-do-inferno04

As palavras de Roger resumem bem o filme. Após ter sido recapturado por um erro infantil de seu colega, comenta que os anos de preparativos e execução do plano o mantiveram vivo, que nunca fora tão feliz. É quando nota uma metralhadora sendo montada pelos nazistas, é o fim de 50 homens que tinham desafiado a polícia alemã.

Uma das cenas mais expressivas é quando o Von Luger informa à Ramsey prisioneiro que os 50 haviam sido mortos durante a fuga. Está visivelmente constrangido, sabe que o fuzilamento não se justifica. É, acima de tudo, um soldado e soldados não matam homens desarmados. Em um olhar os dois homens se entendem. Pouco depois seria substituído do comando do campo, era uma época em que soldados não podiam ser soldados.

A maioria dos fatos narrados no filme foram reais e alguns dos atores estiveram presos em campos na II Guerra Mundial. Pode-se prender um homem, tirar sua liberdade de ir e vir, mas enquanto tiver liberdade para sonhar e pensar estará livre. Como estiveram os homens que durante mais de três anos planejaram e executaram um plano minucioso que visava a libertação de 250 prisioneiros.

No último diálogo, o americano Hendley, dentro do seu pragmatismo, pergunta à Ramsey, teria valido a pena? Ele responde: depende de seu ponto de vista.



Quotes:


Hilts: How many you taking out?

Bartlett: Two hundred and fifty.

Hilts: Two hundred and fifty?

Bartlett: Yeh.

Hilts: You're crazy. You oughta be locked up. You, too. Two hundred and fifty guys just walkin' down the road, just like that?



Ramsey: Roger's idea was to get back at the enemy the hardest way he could, mess up the works. From what we've heard here, I think he did exactly that.

Hendley: Do you think it was worth the price?

Ramsey: Depends on your point of view, Hendley.

u© MARCOS JUNIOR 2013