Livros lidos: 2012

Foi difícil, afinal foram 42 obras lidas de ficção, incluindo as releituras. Em uma primeira passagem, escolhi os livros realmente especiais, em condições de entrar no top 5, sem preocupação com a quantidade.

Esta pré-lista ficou com 12 obras. O mais difícil era selecionar 5 destes 12 maravilhosos livros. Depois colocar os 5 em ordem, o que não foi tão difícil pois segui mais a intuição, sem pensar muito a respeito.

Eis o resultado dos 5 melhores livros de ficção que li este ano.

5. O Lobo da Estepe (Herman Hesse). O livro já era bom, mas a parte final é de cair o queixo. Um aviso, tem que ter uma certa bagagem literária e uma sensibilidade desenvolvida por anos de leitura para enxergar o que Hesse queria mostrar com a viagem de seu protagonista dentro da sala onde o preço para entrar é a razão. E era mesmo.

4. Uma Fábula (Faulkner). Um livro até certo ponto difícil de ler, pelo menos em sua primeira metade. Faulkner não usou a narrativa linear, coisa que adoro!, e por vezes o leitor pode ficar meio perdido. No fundo trata-se de um manifesto anti-guerra, profundo como só uma excepcional literatura consegue ser.

3. Édipo em Colono (Sófocles). Difícil escolher uma das três peças de Sófocles sobre a estória de Édipo. Optei pela segunda. Simplesmente maravilhosa; todos os diálogos devassando a natureza humana e definindo com força o que seja uma tragédia.

2. A Outra Volta do Parafuso (Henry James). Fiquei fascinado pela narrativa de James e a forma como ele consegue nos colocar dentro de sua fantástica estória e nos conduzir a um dos finais mais ambíguos já escritos. Coisa de mestre.

1. Ficciones (Jorge L Borges). Demorou mas finalmente consegui penetrar no mundo de Borges. Impressionante como consegue manejar a linguagem para contar estórias aparentemente superficiais mas que escondem um universo de profundidade. Gênio.

Ficam como menção honrosa:

- A Marquesa d’ O – Von Kleist

- Odisséia – Homero

- Otelo – Shakespeare

- Enfermaria nr 6 – Tchekhov

- A Metamorfose – Kafka

- Contos Amazônicos – Inglês de Sousa

- O Reino Deste Mundo – Alejo Carpentier

Salvo engano, no total ficaram 2 americanos (Faulkner e James), 2 gregos (Homero e Sófocles), 2 alemães (Hesse e Kleist), 1 inglês (Shakespeare), um tcheco (Kafka), 1 russo (Tchekhov), 1 brasileiro (Souza), 1 cubano (Carpentier) e 1 argentino (Borges). Bem eclético este ano, hein?


u© MARCOS JUNIOR 2013