Brains Salad Surgery (1973) - ELP

A Banda:

O Emerson Lake & Palmer foi a primeira superbanda de rock progressivo. No fim de 1969 o tecladista Keith Emerson juntou-se ao baixista e vocalista Greg Lake para formar uma nova banda. No ano seguinte recrutariam o talentoso baterista Carl Palmer e estava formado o ELP. Guitarrista? Não, não tinha guitarrista. Ocasionalmente Lake tocava partes de guitarra em alguma música ou guitarra acústica em suas baladas, mas o som do ELP era teclado, baixo e bateria!

Lançaram seu primeiro disco em 1970 e participaram do Isle of Wight Festival deixando a platéia boquiaberta com sua energia e virtuosismo nos instrumento.

O Disco

f59301cxuox

Lançado em 1973, Brain Salad Surgery é considerado seu disco mais bem acabado e maior sucesso. A banda estava perfeita em maturidade e talento. Jerusalem, a faixa que abre o disco, é uma adaptação da música de William Blake. Segue outra adaptação, elogiada pelo próprio compositor Alberto Ginastera, Toccata. Keith Emerson estava inspiradíssimo. Greg Lake mostra novamente seu feeling com baladas em Still... You Turn me on. Uma dispensável Beeny the Bouncer (música de salão) prepara para uma obra prima: Karn Evil 9.

A Música

Se houvesse um pantheon para as grandes peças produzidas pelo rock progressivo estariam lá: Shine on You Crazy Diamond do Pink Floyd, A Thick as a Brick do Jethru Tull, 2112 do Rush e Karn Evil 9 do ELP. Com a colaboração de Pete Sinfield na letra sci-fi, a banda dá um show completo ao longo de quase 30 minutos. Dividida em 3 partes tem de tudo: Emerson cantando, Emerson transformando-se no Hendrix dos teclados, Lake soberbo em seu baixo e Palmer mostrando porque é um dos grandes bateristas da história do rock. É contagiante do começo ao fim e todo show da banda teria a partir dali a frase síntese da música: "Welcome back, my friends, to the show that never ends!"

Um trecho

There must be someone who can set them free:

To take their sorrow from this odyssey

To help the helpless and the refugee

To protect whats left of humanity.

de karn Evil 9

Conclusão

É sem dúvida um dos discos que marcaram o rock progressivo e merece ser ouvido vezes e mais vezes. Nota 9,0.


u© MARCOS JUNIOR 2013