Mortimer Adler

adler3


Aristóteles Para Todos

Uma introdução simples a um pensamento complexo.


Autor e Obra

Mortimer Adler foi um dos principais educadores americanos a lutar pelo retorno aos pilares clássicos da educação como forma de aquisição de conhecimento. Dedicou toda sua vida a difundir os ensinamentos que a rica cultura clássica, desde os tempos dos gregos, traz ao homem de hoje e defender que longe de estar superada é a melhor base que temos para desenvolver nossa própria inteligência.

Breve Resumo

O livro faz um introdução ao pensamento aristotélico utilizando uma linguagem propositadamente simples, mas sem perder a profundidade e o sentido original. Seu objetivo é apresentar didaticamente os principais problemas tratados por Aristóteles e mostrar que eles ainda se aplicam aos dias atuais.

Principais idéias

A filosofia não se destina a obter conhecimentos sobre o mundo e nós mesmos, mas para nos ajudar a compreender coisas que já sabemos, para termos um conhecimento melhor do que tínhamos.

O mundo de Aristóteles não é muito diferente do nosso pois a essência do homem é a mesma. O ponto de partida da filosofia é a nossa experiência comum, as coisas que nos acontecem no dia a dia e o que observamos a nossa volta.

O homem possui três dimensões principais em sua atividade:

  • O fazer, identificado pelo pensamento produtivo, que leva o homem a fabricar objetos e coisas, que chama genericamente de arte. Está ligado à idéia de produzir o belo, tanto esteticamente quanto em eficiência.
  • O agir, identificado pelo pensamento prático, que trata das questões morais do homem, de como proceder. Liga-se com a idéia de buscar o bom.
  • O conhecer, identificado pelo pensamento especulativo ou teórico, e busca essencialmente a verdade.

O belo (fazer), o bom (agir) e a verdade (conhecer) são as metas últimas do homem e se confundem em Deus, mais que a origem, a causa final do homem.

As substâncias possuem diversas propriedades. Algumas fazem parte de sua essência, que fazem a coisa ser uma e não outra; outras formam os acidentes, que distinguem as coisas dentro da mesma categoria mas que não a fazem perder sua substância. Assim, a razão faz parte da essência do homem e ter cabelo preto é um acidente.

Tudo que existe possui quatro causas a saber:

  • causa material: os materiais que geram a coisa. (exemplo: madeira)
  • causa eficiente: os agentes que produzem a coisa. (exemplo: o artesão, suas ferramentas)
  • causa formal: a forma da coisa, o que faz ser uma coisa e não outra. Não se dever confundir com formato, a forma liga-se a idéia da essência. (exemplo: a idéia de uma cadeira)
  • causa final: o objetivo para se produzir a coisa. (exemplo: um objeto para se poder sentar).

O livro trata em sua parte final de alguns assuntos que considera mais difíceis como:

  • a idéia da infinitude
  • a idéia de eternidade
  • a imaterialidade da mente
  • Deus

Conclusão

Aristóteles dedicou mais tempo e intelecto ao estudo do mundo que vivemos que qualquer um que já existiu e dificilmente alguém conseguirá fazer o mesmo, especialmente nos dias de hoje. Considerando que em sua essência o homem é o mesmo hoje, com suas virtudes e vícios, seu pensamento é uma das heranças mais preciosas que temos em nossa cultura, pois expressam a realidade das coisas. Entender Aristóteles é antes de tudo uma necessidade, um poderoso antídoto para não se deixar enganar pelas aparências do mundo. Mortimer Adler possuia uma didática fantástica, uma capacidade de explicar com uma linguagem simples pensamentos complexos, como demonstra com este livro essencial para uma formação intelectual.

Citações:

Aristóteles começou onde todos deveriam começar _ naquila que já sabia, graças à sua experiência comum, cotidiana. Por partir dela, seu pensamento valeu-se de idéias que todos nós possuímos, não porque nos foram ensinadas na escola, mas porque constituem o patrimônio comum do pensamento humano a respeito de tudo. (P 11)

Mas Aristóteles teve as mesmas experiências comuns em sua época que temos na nossa. Seu modo de refletir a respeito delas permitiu que ele as compreendesse melhor do que a maioria de nós. (P 12)

A mente humana é o principal fator de produção humana. Tudo o mais é instrumental. (P 71)

O conhecimento e a compreensão podem ser usados para dirigir nossas vidas e orientar nossas socieadades de modo que eleas sejam vidas e sociedades melhores e não piores. Esse é um uso mais prático do que produtivo do conhecimento e da copreensão _ um uso voltado para o agir e não para o fazer. (P 75)

Ele disse que, se todos os homens fossem amigos, não seria necessário haver justiça. Ele também disse que a justiça é o laço que une os homens nos Estados. (P 115)

u© MARCOS JUNIOR 2013