Peter Kreeft

327d0627a4330a7e9d9a67.L._V164290975_SX200_

Socrates Meets Jesus - Peter Kreeft


Resumo

Sócrates acorda em 1987, no meio de uma universidade em Boston, dispondo apenas de um registro de matrícula. Acreditando estar a serviço do deus, passa a frequentar as aulas e através de diálogos com alunos e professores ter contato com a doutrina cristã e com a imagem que ela tem na universidade.

Idéias principais

- O progresso só tem sentido quando se trata de um movimento em direção a um bem. Se a modernidade não consegue definir o que seria esse bem, então não se pode falar em progresso. A idéia que o progresso seria um bem em si mesmo, independente da direção que aponta, está firmemente fixada na cultura contemporânea.

- Sócrates sempre acreditou que a ignorância seria a raiz dos males, mas a doutrina cristã coloca que o mal teria existência real e que as pessoas escolhem livremente praticá-lo, mesmo sabendo das consequências.

- Sócrates questiona os termos amplamente usados para se referir à religião como fundamentalismo, dogmatismo, tolerância. Quando instados a definir seus termos fica evidente que são usados como símbolos vazios, sem significado real.

- Através de questionamentos sobre religão comparada, Sócrates coloca no centro a questão da verdade. A universidade, que deveria ser o local para se dedicar a ele é justamente onde ela é mais atacada.

- Em um curso de cristologia, Sócrates tenta entender a religiã cristão, inicialmente através da leitura do antigo testamento, o que o faz ressaltar pontos que não constumam ser muito discutidos como o nome de Deus e a importância da escolha de um povo (o Judeu) para receber a revelação. Mostra-se perplexo pelos paradoxos, especialmente de como um Deus fora do tempo poderia se particularizar para ter uma existência histórica.

- Após leitura do novo testamento, Sócrates encontra na encarnação do Cristo a resposta para os paradoxos do antigo testamento, algo único na história das religiões, um Deus que se encarna como um homem comum e passa a existir historicamente.

- Ao invés de lidar como o que os escolares pensam sobre a interpretação dos textos bíblicos, o filósofo chama atenção que antes de interpretar é preciso entender o que eles dizem e isso só pode ser feito a partir das crenças de quem escreve um texto e não de quem lê. Deve-se interpretar à luz do autor e usar nossas crenças apenas ao criticar, na tentativa de responder se o que foi dito é verdadeiro.

- Usando a lógica, e o texto das escrituras, Sócrates chama atenção para a importância da ressurreição. Mais que um mito, ela tem que ter existido historicamente para que o cristianismo seja real. Rejeitando as tentativas de tratar a coisa como mito, e tirar lições sobre o significado de ressurreição, a questão é mais simples: Jesus Cristo ressuscitou ou não dos mortos? As escrituras são claras em afirmar que sem ressurreição toda fé em Cristo é vã; é tudo ou nada. A maior prova de que teria realmente acontecido são os atos dos apóstolos. Se não aconteceu, então eles tinham conhecimento que era uma mentira. Por que se sujeitaram a serem perseguidos, torturados e mortos em nome de uma mentira? Apenas com a certeza de que ressuscitariam como Cristo poderiam abrir mão de suas únicas vidas para viver outra em plenitude. Rejeitar a ressurreição como real por ser absurda é aceitar um absurdo maior ainda, que uma mentira tenha dado forças a homens falhos em sustentá-la mesmo diante da morte e sem nenhum ganho pessoal, sem nenhum interesse.

- Ser cristão é aceitar a verdade pregada no evangelho e viver de acordo com ela. Como podem existir tantos cristãos e não se diferenciarem moralmente dos demais?

Personal Application

1. Aprofundar os conhecimentos em apologética cristã.

2. Aprender a forma como deve-se ler um livro, especialmente de um autor que não se concorda.

3. Perguntar mais e afirmar menos.

4. Procurar sempre a definição dos termos.

Quotes

Socrates: By looking for clues. There seem to be many. For instance, is there less discontent expressed in your literature? Less political unrest and revolution, less restless change in the world? Fewer and smaller wars, fewer people changing their lifes, ther jobs, their homes, their wives or husbands out of discontent? Less mental disorder? Fewer crimes> Fewer rapes, child abuse, intanticide, abortion? less uncertainly about whether life is worth living?


Bertha: Didn't you ever take logic?

Socrates: Take it? I gave it to the world.


Bertha: I suppose you mean that when we want to know the truth about something that is not in our experience, we ask the expert, the one who does know by experience. 


Socrates: (...) Fourth, my answer was not that I knew no knowledge, but wisdom. We all have some knowledge, but wisdom is a divine attribute. God alone is wise and has given to men the pursuit of wisdom, philosophy


Bertha: I guess what I meant was that God was forgiving. I believe God accepts me as I am. That's why I accept myself as I am.

Socrates: You mean he doesn't want you to grow wiser or better?

Bertha: No, I don't mean that.


Bertha: (...) Especially, I don't understand how so many Christians believe in divine punishment, and hell, and judgment. (...)

Socrates: But is it true?

Bertha: What?

Socrates: I said is it true? Why the surprise? It's a simple question.

Bertha: People here don't ask simple questions like that very often, Socrates.


Socrates: But shouldn't you interpret any book, and any else's words, in light of their convictions instead of yours? When you're interpreting, you want to know what they believe, don't you? Then you decide wethever you believe it or not. But if you don't know what it is, what the other persons believes, how can you know wethever you agree or disagree with it?

Bertha: You mean we shouldn't interpret a book in light of our beliefs?

Socrates: Of course not! That confuses two things, interpretation and belief.

Bertha: Oh...

Socrates: Furthermore, if you do that, why do you need the Bible at all?

Bertha: What do you mean?

Socrates: If it agrees with you, it's superfluous, and if it doesn't, it's wrong. Why read a book that must be either superfluous or wrong? In fact, why read or listen to anyone? They must all be superfluous or wrong.

Bertha: That's ridiculous.

Socrates: My point exactly. 


Socrates: Don't you see? It cannot be, any more than a triangle can have four sides. A mere man who claims to be a God cannot be a wise man, and a God who claims to be a God is not a mere mere wise man either. The first is a fool and the second is God. Jesus must be either a fool or a God. The only thing he could not possibly be is a mere wise man.


Socrates: (...) For it is the business of the philosopher to inquire, and to inquire we must believe both that truth exist and might be know, and that we do not know it. The skeptic does not believe in truth, or does not believe it can be known, while the dogmatist does not believe that we lack it.


Socrates: If you are all Christians, if some of you are Christians, if any of you are Christians _ how could your life be the same? How could you look the same, talk the same, think the same? How could the born child so closely resemble the unborn child? How could you life be so... so bland, if this incredible thing is true?


Socrates: (...) I do not understand what could have made them endure such torture except their certainty that Jesus really did rise and that they would rise too. If they didn't believe in the resurrection, why would they give up the only life they knew was real for nothing?

Fesser: That's a good question, but it doesn't prove that the resurrection literally happened.

Socrates: It seems to prove this, at least _ that if the miracle of the resurrection din't really happen, then an even more incredible miracle happened.

Fesser: What do you mean?

Socrates: Twelve Jewish peasants invented the world's most fantastic and successful lie for no reason at all and died for it willingly and joyfully,as martyrs. As did millions or others.


(Vicksburg, Novembro 2013)



u© MARCOS JUNIOR 2013