Notas para uma Definição de Cultura


T.S. Eliot


Resumo

Diante da constatação que o termo “cultura” era usado indiscriminadamente, sem nenhuma consideração por seu significado, Eliot apresenta uma série de considerações que devem ser usadas para uma definição de cultura. Trata-se de um ensaio escrito em 1946, dentro do contexto do final da II Guerra Mundial e apesar de não abordar diretamente, Eliot viu que o totalitarismo foi também uma grande ameaça ao nível cultural, com suas propostas de instrumentalização da cultura.


Idéias principais

- A cultura possui três sentidos distintos que devem ser usados sempre em consideração aos outros dois: indivíduo, grupo ou classe e sociedade. Para Eliot a cultura do indivíduo depende da cultura do grupo ou classe que por sua vez depende da sociedade. Portanto, é na análise da cultura de uma sociedade que serve de base para chegar nas demais.

- Existem três condições para a existência de uma cultura vigorosa: a estrutura orgânica, o regionalismo e a unidade e diversidade na religião.

- A estrutura orgânica trata dos mecanismos em que a cultura é criada e transmitida em uma sociedade. Um ponto fundamental para Eliot é que a cultura não é criada deliberadamente; em sua maior parte é uma criação espontânea na sociedade. O que se chama de criadores de cultura na verdade se trata de indivíduos capazes de captar a cultura e dá-lhe uma representação seja nas artes, filosofia ou religião, trazendo-a para um nível mais consciente. A pessoa que contribui para a cultura nem sempre é culta pois em sua essência a cultura é o modo de vida de um povo. As classes sociais agem no sentido de preservar a cultura de sua classe e, dessa forma, contribuírem para a cultura geral. 

- A família é o principal canal de comunicação da cultura e quando ela deixa de desempenhar esse papel, a cultura entra em declínio. Eliot adverte que a crença de que a família possa ser reduzida ao mínimo nessa questão, passando a maior parte dessas funções para a educação, leva à desagregação da cultura, que termina em se refletir na própria desagregação da sociedade.

- Uma cultura sempre se localiza no espaço e um povo não pode ser demasiadamente unido e nem demasiadamente desunido. Deve haver diferenças locais, que se relacionam com o fundo comum de uma cultura que abrange as culturas locais. A união a ponto de uniformizar toda a cultura de um povo pode levar à tirania e uma desunião profunda à decadência. Os antagonismos internos de uma nação são importantes pois esgotam a agressividade de um povo internamente e não o conduzem a uma situação de beligerância para com os vizinhos.

- Religião e cultura são aspectos distintos de uma mesma realidade. Sob determinado plano são a mesma coisa, e sob outro apresentam-se como coisa distinta, especialmente ao nível consciente. Eliot é enfático ao afirmar que não existe possibilidade de cultura sem uma religião que a dê suporte, o que não significa que não deva haver diferenças religiosas dentro de uma mesma cultura e nem que uma religião deve se apresentar de maneira uniforme em toda sociedade. Da mesma forma que na regionalidade, deve haver espaço para que o culto apresente suas localidades, sem perder a essência do culto geral. Deve haver o equilíbrio entre a liberdade de culto excessiva, que pode levar à delinquência, e a ordem por demais estrita, que conduz à petrificação.

- Eliot identificou um perigo da utilização da cultura como instrumento político. Considerando que a cultura não pode ser moldada, a intervenção política na cultura só pode levar à violência estatal.

- O mesmo acontece com a educação. Refletindo sobre o que deveria ser o objetivo da educação, Eliot rejeita um papel predominante como transmissão da cultura e força o sentido de educar para criar condições para que uma cultura possa florescer. Era crítico também em relação a idéia de que se poderia implantar uma educação para todos, que só poderia levar ao rebaixamento dos padrões. Para ele, a igualdade de oportunidades e educação para todos eram mitos que só conduziriam à desagregação da cultura.


conclusão

Para Eliot a cultura está associada ao modo de vida de uma sociedade e a desagregação da cultura sempre antecipa a própria desagregação da sociedade. No ensaio, não pretende definir a cultura, apenas levanta pontos que considera fundamentais para que se possa defini-la corretamente e evitar que a palavra se tornasse vazia de significado e apontasse para qualquer coisa, o que levaria a problemas para a própria sociedade.


Quotes


Da mesma forma como uma doutrina só precisa ser definida depois do aparecimento de qualquer heresia, uma palavra também não precisa receber essa atenção até vir a ser mal empregada. (P 13)

… na realidade, é devido, mais ou menos, ao que fazemos casualmente, sem compreensão ou previsão das consequências, que a cultura de uma era difere tanto da anterior. (P 20)

Refletir que, de um ponto de vista, religão é cultura, e que, de outro ponto de vista, cultura é religião, pode ser imensamente perturbador. (P 33)

A família, a classe e a lealdade local são pilares que se suportam uns aos outros; e, se um deles cai, os outros também sofrerão. (P 52)

a destruição deliberada de outra cultura, coo um todo, é um mal irreparável, quase tão diabólico como tratar seres humanos como se fossem animais. (P 66)

Será preciso encontrar uma salvaguarda qualquer contra a crescente centralização do controle e da politização das artes e das ciências, pelo encorajamento da iniciativa e responsabilidade locais; e, tanto quanto possível, separar a fonte central dos fundos do controle do seu uso. (P 94

u© MARCOS JUNIOR 2013