Brene Brown - The gifts of imperfection 

Let go who you think you’re supposed to be and embrance who you are


Autor e Obra

Brene Brown é pesquisadora comportamental e se tornou conhecida a partir de algumas palestras para a plataforma TED, que procura difundir idéias relevantes pelo mundo através de vídeos pela internet. The gifts of imperfection apresenta os resultados de sua pesquisa sobre o que leva as pessoas a ter uma vida plena de significado.

Breve Resumo

O tema do livro é a necessidade de abraçar nossas próprias imperfeições e não tentar nos transformar em algo que não somos apenas para satisfazer uma imagem que formamos a partir de um padrão de aceitação dado pela sociedade. Ao analisar dos dados sobre uma extensa pesquisa sobre o que leva uma pessoa a ter uma vida plena, de comprometimento e entrega, _ Brene usa o termo wholehearted, sem tradução para o português _ ela conclui sobre alguns padrões comuns a estas pessoas, tendo por base a coragem, compaixão e conectividade.

Principais idéias

  • Wholehearted significa enganjar nossas vidas como um lugar de merecimento, de algo que vale a pena. Baseia-se na idéia de coragem, compaixão e conexão.
  • Brown entende a coragem a partir da idéia latina de “falar a partir do coração”, ou seja, em ser verdadeiro e honesto a respeito de si mesmo. 
  • Compaixão se refere a sentir nossa própria dor, a aprender a relaxar e permitir que nos movamos em direcão a coisas que nos amedrontam. Trata-se de assumir os riscos de sofrer.
  • Conectividade é uma espécie de energia entre as pessoas, fruto do relacionamento. Temos que nos abrir ao próximo ao invés de nos proteger para evitar sermos atingidos.
  • Não podemos amar mais o próximo do que amamos a nós mesmos, daí a importância de amar e nos aceitarmos como somos, o que exige coragem.
  • Toda cultura de auto-ajuda é focada nas coisas que precisamos fazer para atingir determinado objetivo. Entretanto, apesar de saber exatamente o que precisamos fazer, somos completamente incapazes de fazê-lo, como mostra nossos níveis de obesidade, ansiedade, alcoolismo, consumismo, medicação, etc. Para Brown o problema é que pouco nos dedicamos a pensar sobre o que nos impede de alcançar o que queremos. Entender nossos obstáculos pode ser mais importante do que entender o que temos que fazer.
  • A vergonha é o principal adversário da imperfeição pois trata-se do medo de não poder ser amado ou não ser valorizado. Ao mesmo tempo, não queremos pensar nela, o que para Brown é um erro pois é justamente nesta atitude de fuga que ela se alimenta para crescer. Aceitar a própria imperfeição passa necessariamente em como lidar com nossas vergonhas e realmente superá-las, entendendo que nos valorizamos e somos dignos de sermos amados.
  • Brown apresenta um guia de coisas que temos que cultivar para obter os benefícios da imperfeição:
    1. autenticidade
    2. auto-compaixão
    3. espírito resiliente
    4. gratidão e júbilo
    5. intuição e confiar na fé
    6. criatividade
    7. brincar e descançar
    8. calma e quietude
    9. trabalho significativo
    10. riso, música e dança

Aplicações pessoais

  • pensar um pouco sobre as questões que Brown coloca, especialmente a idéia de uma vida plena, abraçando nossa própria imperfeição.
  • questionar se estou procurando de alguma forma me encaixar em algum papel definido pela sociedade ao invés de seguir minhas próprias intuição e buscar uma vida de autenticidade.
  • vendo a lista das 10 coisas a cultivar senti um certo alívio, ao contrário da própria autora quando viu o resultado de sua pesquisa. De maneira geral tenho trabalhado em todos os itens e me senti justificado em muitas coisas que por vezes fui questionado.
u© MARCOS JUNIOR 2013