Nicole Loraux - The Mourning Voice


The Mourning Voice, an essay on greek tragedy

Nicole Loraux

By Marcos Junior

01 de Junho de 2013

Autor e Obra

Nicole Loraux (1943-2003) foi uma estudiosa francesa da Atenas clássica, ou seja, uma helenista. O ensaio The Mourning Voice foi publicado em 2002, pouco antes de sua morte.

Breve Resumo

A helenista Nicole Loraux rompe com a interpretação que a tragédia grega seria essencialmente de caráter político. Para ela, a principal característica seria o da lamentação fúnebre, que em um processo de catarse levaria o espectador a compreender que é primeiro um membro da comunidade dos mortais e apenas depois um cidadão da polis. O homem é humano antes de ser político. As tragédias gregas tem como essência lembrar o homem desta humanidade e nos conectar, através do sofrimento e dor, uns com os outros. 

Key Insights

  • A lamentação fúnebre é a principal característica da tragédia grega. A tentativa de interpretá-lo como crítica política, como faz Sartre em Mulheres Troianas, desfigura a obra ao retirar os elementos essenciais que a compõem.
  • A partir do século V a. c. o teatro se separou da Agora, assim como as assembleias populares. Significa que deixou o espaço político, frequentado apenas pelos atenienses, para um espaço popular, efetivando sua separação da política. 
  • A tragédia grega não é política. Ela é também política.
  • A tragédia grega é anti-política na medida que rejeita as proibições e obrigações da cidade-estado em busca da liberdade de representar a condição humana.
  • Enquanto que o discurso político tem como característica a necessidade do esquecimento de parte do passado, a tragédia é o clamor pela lembrança, por mais dolorosa que seja a memória.
  • A tragédia grega deve ser lida hoje porque tem em sua essência o estudo do homem enquanto ser mortal, situação que é a mesma hoje e sempre.
  • O coro frequentemente aparece como o instrumento da catarse, representando o homem liberto da sua condição de cidadão ateniense, capaz de ver e explicitar a realidade.
  • A tragédia combina elementos normalmente contrastantes do discurso político, muitas vezes através de oxímoros, para enfatizar uma nova idéia, que transcende à política.
  • A tragédia é um gênero em conflito. Exemplo: teatro x discurso político, Apolo x Dionísio, homem x cidadão.

Aplicações pessoais

  • Prestar mais atenção na leitura das tragédias gregas, especialmente no coro e nas mudanças de discurso (diálogo para discurso político, etc).
  • Tentar buscar nas tragédias onde estão os conflitos, onde está a condição humana.
  • Ler mais tragédias gregas.





u© MARCOS JUNIOR 2013